Encante-se por Chichén Itza apreciando seus lindos cenotes.

Tudo bem, a profecia maia não se concretizou e o mundo não acabou em 2012 (vamos desconsiderar o fato de que não era isso que o calendário previa!). Mas os maias, cuja civilização floresceu entre 250 e 900 d.C., sabiam muito sobre astronomia, arquitetura, matemática e como construir uma civilização – lugares como Chichén Itzá e Uxmal atestàm claramente isso -, e seu legado na área mais tropical do México torna essa parte do país um destino atraente.

Além das raízes maias – ramificações que ainda prosperam hoje em dia -, essa região tem uma rica herança colonial espanhola. Durante o século 19, o cultivo de henequén (sisal usado para fabricar fios e cordas) em grandes plantações enriqueceu várias famílias iucatecas.

Os navios cargueiros usados no transporte de sisal para a Europa chegavam ao México carregados de pedras, tijolos e telhas, material usado tanto nas casas de estilo francês que os proprietários das plantações construíram em Mérida, como nas haciendas. Quando o boom do henequén acabou, muitas dessas opulentas fazendas apodreceram por décadas: telhados ruíram, a pintura descascou e árvores cresceram através das paredes – foi uma decadência glamourosa. Na década de 1990, essa grandiosidade em ruínas começou a atrair expatriados e moradores da Cidade do México mais abastados, que compraram casas em Mérida e propriedades rurais no lucatã, restaurando-as e transformando-as em hotéis-butique.

Passar as férias nessa região é culturalmente edificante – você vai explorar uma das mais avançadas civilizações pré-colombianas – e de cair o queixo: não há palavras para descrever a solidez de Chichén Itzá e os intrincados detalhes de Uxmal. É também relaxante, e um pouco como viajar no túnel do tempo, já que você vai se hospedar num hotel-hacienda, passear pela floresta tropical, imaginar-se o proprietário de uma mansão do século 19 e, é claro, fazer a sesta numa rede. Encerre a viagem passando alguns dias nas praias de Tulum e combine história com mais hedonismo.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *